sexta-feira, 22 de janeiro de 2010

A verdadeira devoção a Nosso Senhor Jesus Cristo e a autêntica interpretação da Bíblia Sagrada - VII

Continuação do esclarecimento ao fiel católico a respeito dos erros de interpretação da Bíblia e da Verdadeira Devoção a Nosso Senhor Jesus Cristo

6ª Objeção — Os católicos consideram o Papa como autoridade suprema na Igreja, alegando o primado de Pedro. Mas isto não tem base suficiente nas escrituras.

Resposta — A preeminência de São Pedro no Colégio apostólico não é um fato isolado no Evangelho. Com efeito, o Príncipe dos Apóstolos é citado 171 vezes no Novo Testamento, seguido de São João, que o é apenas 46 vezes.

E invariavelmente os Evangelistas, quando fazem a enumeração dos Apóstolos, citam em primeiro lugar São Pedro. Mesmo em circunstâncias das mais solenes da vida de Nosso Senhor,
como na ressurreição da filha de Jairo, em sua transfiguração no Tabor e em sua agonia no Horto das Oliveiras, três Apóstolos foram testemunhas desses fatos, mas São Pedro é citado sempre em primeiro lugar (cfr. Mc 5, 37; 9, 2; 14, 33).

E há vezes em que São Pedro é citado para encabeçar a menção ao conjunto dos Apóstolos: “Simão e os que estavam com ele...” (Mc 1, 36). As passagens em que Nosso Senhor indica a supremacia de Pedro sobre os demais Apóstolos são bem conhecidas:

No primeiro encontro do pescador da Galiléia com Nosso Senhor, disse-lhe Jesus: “Tu és Simão, filho de Jonas; serás chamado Cefas (que quer dizer Pedro)” (Jo 1, 42).

Logo depois que São Pedro exprimiu sua fé na divindade de Jesus Cristo, disse-lhe o Divino Mestre: “Feliz és tu, Simão, filho de Jonas, porque não foi a carne nem o sangue quem te revelou isto, mas meu Pai que está nos céus. E eu te declaro: tu és Pedro, e sobre esta Pedra edificarei a minha Igreja, e as portas do inferno não prevalecerão contra ela.

Eu te darei as chaves do Reino dos Céus: tudo o que ligares na terra, será ligado nos céus, e tudo o que desligares na terra, será desligado nos céus” (Mt 16, 17-19). A afirmação do primado de São Pedro e do poder das chaves a ele conferido não podia ser mais clara. Em outra ocasião, confirmou o Divino Mestre a missão de Pedro: “Simão, Simão, eis que satanás te procurou para te joeirar como trigo, mas Eu roguei por ti, a fim de que tua fé não desfaleça; e tu, uma vez convertido, confirma os teus irmãos” (Lc 22, 31-32).

Isto vem praticamente repetido nas últimas recomendações que Nosso Senhor fez aos Apóstolos antes da Ascensão: “Jesus perguntou a Simão Pedro: Simão, filho de João, amas-me mais do que estes? Respondeu ele: Sim, Senhor, tu sabes que te amo.

Disse-lhe Jesus: Apascenta os meus cordeiros. Perguntou-lhe outra vez: Simão, filho de João, amas-me? Respondeu-lhe: Sim, Senhor, tu sabes que te amo. Disse-lhe Jesus: Apascenta os meus cordeiros. Perguntou-lhe terceira vez: Simão, filho de João, amas-me? Pedro entristeceu-se porque lhe perguntou pela terceira vez: Amas-me?, e respondeu-lhe: Senhor, sabes tudo, tu sabes que te amo. Disse-lhe Jesus: Apascenta minhas ovelhas” (Jo 21, 15-17).

Ora, conforme o uso corrente das línguas orientais, a palavra apascentar significa governar. Apascentar os cordeiros e as ovelhas é, portanto, governar com autoridade soberana a Igreja de Cristo; é ser o chefe supremo; é ter o primado. Além disso, a imagem de pastor designa, na Sagrada Escritura, o Messias e sua obra (cf. Mq 2,13; 4,6s; Sf 3,18s, Jr 23,3; 31,19; Is 30,11; 49,9s).

Confiando a São Pedro a missão de pastor, Nosso Senhor o constituiu seu representante visível na terra. Depois da Ascensão, a primazia de jurisdição de Pedro sobre os outros se manifesta claramente quando ele:

1) Preside e dirige a escolha de Matias para o lugar de Judas (At 1, 15-25); 2) É o primeiro a anunciar o Evangelho no dia de Pentecostes (At 2, 14 ss.); 3) Testemunha, diante do Sinédrio, a mensagem de Cristo (At 4, 5 ss.); 4) Acolhe na Igreja o primeiro pagão (At 10,1 ss.); 5) Fala em primeiro lugar no Concílio dos Apóstolos, em Jerusalém, e decide sobre a questão da circuncisão: “Então toda a assembléia silenciou” (At 15, 7-12).

Como Sucessor de Pedro, o Papa exerce na Igreja as funções de Pastor Supremo. Como poderia Jesus Cristo fundar sua Igreja — Una, Santa, Católica e Apostólica — sem prover à sua ontinuidade através dos tempos com base numa autoridade universal e única?


Extraído do Livreto: "A verdadeira devoção a Nosso Senhor Jesus Cristo e a autêntica interpretação da Biblia Sagrada".

Clique aqui para ler :

Parte I Parte II Parte III Parte IV Parte V Parte VI

Nenhum comentário: