domingo, 17 de janeiro de 2010

A verdadeira devoção a Nosso Senhor Jesus Cristo e a autêntica interpretação da Biblia Sagrada - II

Clique aqui para ler a parte I

Continuação do esclarecimento ao fiel católico a respeito dos erros de interpretação da Bíblia pregada pelos Evangélicos e da Verdadeira Devoção a Nosso Senhor Jesus Cristo.





1ª Objeção — A Bíblia diz que Jesus teve irmãos. Portanto Maria não permaneceu virgem, como dizem os católicos.

Resposta — Os estudiosos das Sagradas Escrituras deixam claro que a expressão “irmãos do Senhor” nos Evangelhos não têm o significado de uma irmandade de sangue.

Tanto no hebraico quanto no aramaico, a palavra “irmão” pode ter vários significados: a) os filhos do mesmo pai, podendo ser da mesma mãe ou de outra mãe (cfr. Gn 20, 5); b) e, em sentido mais largo, “irmão” designa também os parentes próximos, ou amigos, vizinhos, e até mesmo seguidores, o que se pode comprovar em numerosos lugares da Bíblia.

Um exemplo de parentesco está bem claro no Livro de Tobias. Aconselhado pelo Arcanjo Rafael a casar-se com Sara, filha única de Raguel e de Ana, parentes próximos de seu pai, Tobias assim rezou a Deus: “Senhor, sabeis que não é por motivo de luxúria que recebo por mulher esta minha irmã” (Tb 8, 9).

Também Abraão disse a Lot: “Nós somos irmãos”. Ora, Abraão era filho de Tare; e Lot filho de Arão, irmão de Abraão (cfr. Gn 13, 8). Nada mais natural, portanto, que os evangelistas se conformassem a esse linguajar judaico.

Assim, por exemplo, ao narrar a aparição de Jesus ressuscitado a Santa Maria Madalena, o Evangelho de São João descreve deste modo o final da cena: “Disse-lhe Jesus [a Maria Madalena]: Não me toques, porque ainda não subi para meu Pai; mas vai a meus irmãos, e dize-lhes: Subo para meu Pai, e vosso Pai, meu Deus e vosso Deus. Foi Maria Madalena dar a nova aos discípulos: Vi o Senhor, e ele disse-me estas coisas” (Jo 20, 17-18). Nestes versículos do Evangelho, irmãos equivale evidentemente a discípulos.

Tomemos agora o Evangelho de São Mateus, que menciona os nomes dos “irmãos” de Jesus: “E indo [Jesus] para a sua pátria, ensinava nas suas sinagogas, de modo que se admiravam e diziam: Donde lhe vem esta sabedoria e estes milagres? Porventura não é este o filho do carpinteiro? Não se chama sua mãe Maria, e seus irmãos Tiago e José e Simão e Judas? E suas irmãs não vivem todas entre nós? Donde vem pois a este todas estas coisas?” (Mt 13, 54-56).

Também São Marcos cita os mesmos nomes dos “irmãos” de Jesus (cfr.Mc 6,3). Nenhum dos dois evangelistas menciona os nomes das “irmãs” de Jesus.

Os críticos procuram identificar esses “irmãos” de Jesus, e por isso saem à procura de outros textos da Sagrada Escritura ou de elementos da Tradição que possam trazer esclarecimentos.

Assim, ao falar das mulheres presentes no Calvário, São Mateus e São Marcos nomeiam especificamente: “Maria Madalena, Maria, mãe de Tiago e José, e a mãe dos filhos de Zebedeu” (Mt 27, 56); “Maria Madalena, e Maria, mãe de Tiago o Menor e de José, e Salomé” (Mc 15, 40). Ficam assim identificados dois dos “irmãos” de Jesus, Tiago o Menor e José, filhos de uma outra Maria, distinta da Mãe de Jesus. Eram, pois, parentes de Jesus.

Salomé, mencionada por São Marcos, é a mulher de Zebedeu nomeada por São Mateus, mãe de Tiago o Maior e de São João, o evangelista. Ela ficou célebre por ter reivindicado junto a Jesus um lugar privilegiado para seus filhos no seu futuro reino (cfr. Mt 20,20-23; Mc 10,35-40). Tal
reivindicação parece indicar que o parentesco lhe dava liberdade para fazer tal
pedido a Jesus.

São João consigna também a presença das várias Marias durante a Crucifixão, distinguindo claramente a Mãe de Jesus das outras: “Estavam de pé, junto à Cruz de Jesus, sua Mãe, e a irmã [prima] de sua Mãe, Maria mulher de Cleofás, e Maria Madalena” (Jo 19, 25).

Observa-se de passagem que aqui igualmente se registra o uso judeu de chamar “irmã” de Maria uma sua parenta, pois como é universalmente admitido, Maria era filha única. Por outro lado, sabe-se que essa “Maria, mulher de Cleofás” é a mãe de Simão (cfr.Eusébio de Cesaréia, História Eclesiástica, III 2,32).

Assim, dos quatro nomes citados por São Mateus como “irmãos” de Jesus, somente não foi indubiamente identificado o último, Judas, nome aliás comum naquele tempo (dois dos Apóstolos tinham esse nome: São Judas Tadeu e Judas Iscariotes, o traidor).

Mas não há por que supor que esse não identificado Judas tivesse um grau de parentesco com Jesus diferente dos outros três mencionados. Alguns pensam tratar-se de São Judas Tadeu,
baseados em São Lucas (6, 16), mas a interpretação é incerta.

Resulta claro, portanto, que a palavra “irmãos” não corresponde a uma irmandade de sangue, mas a um parentesco — ou até a um relacionamento — mais ou menos próximo.

Aliás, que a Virgem Maria não teve outros filhos, a Bíblia o manifesta em outras passagens. Limitemo-nos a lembrar a pungente cena do Calvário: Cristo, moribundo, encomenda Maria a São João, o qual, desde então, a recebeu em sua casa (cfr. Jo 19, 26-27).

Se Maria tivesse tido outros filhos, Jesus não teria porque se preocupar com o cuidado temporal de sua Mãe, pois este dever corresponderia aos demais filhos. Tanto mais quanto, muitos anos
depois, São Paulo comenta que ainda vivia em Jerusalém “Tiago, o irmão do Senhor” (Gal 1,19). São Tiago o Menor, como foi lembrado acima, era parente de Nosso Senhor.

A objeção protestante fica, pois, corretamente respondida por diversas passagens da Sagrada Escritura e por alguns elementos colhidos na Tradição.

Extraído do Livreto: "A verdadeira devoção a Nosso Senhor Jesus Cristo e a autêntica interpretação da Biblia Sagrada".

4 comentários:

Anônimo disse...

SANTA TERESINHA EU VOS AGRADEÇO TODAS AS GRAÇAS ALCANÇADAS E PEÇO POR MINHA FILHA KAROLIE PARA QUE ELA SEJA BEM SUCEDIDA NESTA VIAGEM, AMEM

Orlando Lopes da Silva disse...

eu gostei do esclarecimento que diz a materia pois pois eu tambem mesmo que eu tinha a certesa que a Virgem Maria ere virgem mais tinha eu algumas duvida pois a liguaja aramaico era muito difice de ser interpetrada foi tanto que ela acabou nos anos 70,

maralmartins disse...

Peço a Deus que se difundam essas verdades e conhecimentos de nossa fé e que nós católicos saibamos ler e entender a Palavra de Deus.

Anônimo disse...

Peço a DEUS que a cada dia aumente minha fé e que eu não me desvie do do caminho do bem, de fazer o bem.
Amém.