terça-feira, 26 de janeiro de 2010

A Devoção ao Sagrado Coração de Jesus começou na Santa Ceia. Você sabia?

Eu também não.

Sou devoto do Sagrado Coração, até por uma tradição de família – meu pai tem Sua imagem entronizada em nossa casa.

E por isso mesmo, nestas férias, quando tive a oportunidade de ler o livro “O Estandarte da Vitória[1]“, não pensei duas vezes. E, confesso, fui surpreendido, como católico, pela dimensão desta devoção.

Fiquei sabendo, por exemplo, que São João Evangelista foi o primeiro devoto e é o patrono desta devoção. Foi ele que, na Santa Ceia (!), reclinou sua cabeça sobre o peito de Nosso Senhor e então ouviu as pulsações do Coração Divino. [2]

Neste simples gesto, São João percebia as intenções do Salvador e ficava mais perto dele para testemunhar sua adesão e seu amor. Por isso recebeu graças que lhe permitiriam deixar à Igreja algumas das verdades mais elevadas. [3]

E veja que impressionante; aquele “que Jesus amava” teve o privilégio de tornar-se filho e protetor de Nossa senhora. O Divino Mestre deixou a Igreja aos cuidados de Pedro, mas deixou sua Mãe aos cuidados de João, o apóstolo de seu Sagrado Coração.

Também me impressionou muito entender que a fé ao Sagrado Coração tem um sentido mais profundo do que eu imaginava.

Eu entendia que esta devoção estava ligada sobretudo ao coração como símbolo do amor divino e humano. Afinal, o coração tem sido um símbolo do amor – neste caso do amor divino – ao longo do tempo. São Paulo mesmo dizia aos cristãos de Corinto que eles moravam em seu coração e que seu coração estava aberto para eles (2cor 7,3: 6,11)

Mas percebi agora que é muito mais do que isso. Li uma referência do evangelho sobre o Coração e vi como a devoção é profunda e nos pede tão pouco para recebermos as graças de Nosso Senhor.

Veja só; em certa ocasião, Jesus, falando às multidões, pregava sobre a importância da inocência e da despretensão na aquisição de bens espirituais:

“Eu te louvo, Pai, Senhor do céu e da terra, porque escondeste estas coisas aos sábios e entendidos e as revelaste aos pequeninos.

E apontando seu coração, como exemplo a ser imitado por todos aqueles que, atribulados e sem rumo procuravam um caminho, concluía;

“Vinde a mim, todos vós que estais cansados e carregados de fardos, e eu vos darei descanso. Tomai sobre vós o meu jugo e sede discípulos meus, porque sou manso e humilde de coração, e encontrareis descanso para vós. Pois o meu jugo é suave e o meu fardo é leve”.

Ou seja, quem estivesse cansado e oprimido, que aproximasse seu coração do D’Ele, e assim encontraria a paz. (Quem ainda não conhece estas passagens? Certamente muito poucos).

Mas, o que é surpreendente, é que Ele nos pede, na verdade, para imitá-Lo. Este é o principal objetivo da devoção. A imitação. Termos em nós Seus sentimentos interiores, Seu espírito e Sua mentalidade. Ou seja, o Coração representa tudo aquilo que vai dentro do Nosso Salvador e que deve estar também dentro daqueles que O seguem. Se não houver a imitação do Coração de Jesus, a Devoção a Ele não será autêntica.

Foi isso que me entusiasmou e me surpreendeu: ser devoto do Sagrado Coração de Jesus significa agir como Cristo, para que possamos alcançar a Misericórdia Divina, regenerando a nossa Fé e trazendo remédios para nossos males morais, não apenas individualmente, mas transformando as famílias e a sociedade.

Por isso, neste dias em que vivemos, esta devoção transformadora é tão importante.

__________________________________________________________________

[1] O Estandarte da Vitória - Péricles C.F. e Melo
2 São João Evangelista, um dos discípulos a quem Jesus amava, estava à mesa reclinado ao peito de Jesus ( Jo 13,23).
3 “Pedro, tendo-se voltado, viu que o seguia aquele discípulo que Jesus amava o que na ceia estivera reclinado sobre o seu peito (Jo 21,20)
__________________________________________________________________

Este trecho publicado acima faz parte de uma carta recebida pelos voluntários da Associação Apostolado do Sagrado Coração de Jesus no começo de 2010. O autor é A.B.A, de São Paulo (SP).

Se você também gostaria de deixar seu depoimento sobre como conheceu a devoção ao Sagrado Coração de Jesus, escreva seu comentário abaixo.

4 comentários:

Izabela Penido disse...

A devoção ao Sagrado Coração de Jesus teve início quando era criança. Agradeço todos os dias por ter nascido em um berço de família católica, apoiado em princípios e valores sólidos e coberto com os mantos da Imaculada Conceição. Foi por meio dessa educação que recebi de meus pais que hoje conheço e sou devota do Sacratíssimo Coração de Jesus.
Ainda com a inocência de uma criança eu via na entrada da minha casa ou de meus avôs as imagens do Sagrado Coração de Jesus e Imaculado Coração de Maria sabendo, naquela época, que eram Papai e Mamãe do Céu. Minha mãe ainda conta, e eu me lembro perfeitamente, que os “grandes botões vermelhos” daquelas imagens eram o que mais me interessava. Algo bem lá no fundo do meu coração dizia e, até hoje ainda diz, que eu deveria dar uma atenção maior a Eles. Naturalmente, depois do catecismo, ainda criança, mas já com algum conhecimento e respeito à doutrina católica, o carinho e amor pelos “Dois Botões Vermelhos” cresceram muito.
Hoje, tenho quase 26 anos, sou devota ao Sagrado Coração de Jesus, associada ao Apostolado do Sagrado Coração e faço o meu papel na sociedade. Tento, sempre que possível, propagar essa devoção para o mundo, mesmo que seja um pequeno “mundo” ao meu redor. Agradeço todos do Apostolado, pois vocês têm me ajudado muito nessa missão que eu sei, desde criança, que é meu dever.

umbelina disse...

desde criança, via minha Vó Santa ir às primeiras sexta-feira do mês toda de branco, com a fita do sagrado coração de Jesus, para a igreja. aquilo me deixava fascinada, mas eu achava que só poderia entrar no apostolado pessoas velhas. o tempo passou, eu cresci, casei, tive 3 lindos filhos, minha vó faleceu, e eu fiquei com aquele vazio dentro da igreja,pois sempre faltava minha vó com aquela fita vermelha sobre o vestido branco. Adoeci, tive um mioma que pesava quase 5 quilos. Tive nessa doença a oportunidade de fazer uma promessa ao Sagrado Coração de Jesus, que se eu sobrevivesse àquela doença que já tinha me deixado com uma anemia profunda, se Deus me desse novamente a oportunidade de continuar cuidado de meus filhos, eu entraria para o apostolado do coração de jesus. Deus me concedeu essa graça, tendo até a sensação de sentir Nossa Senhora junto a mim no momento da cirurgia. Em setembro de 2007, entrei para a associação do senhor Jesus, onde me sinto realizada como católica, descobrindo que o apostolado não é somente para idosos, mas sim para todos que buscam o amor de Deus e querem compartilhar com os outros os seus benefícios de fé e amor.

Bete disse...

Eu conheci a devoção ao Sagrado Coração de Jesus,através de minha avó e depois através de minha mãe.Em nossa casa ela fez a intronização do quadro do Sagrado Coração de Jesus que eu me Lembro ficava em destaque em nossa sala.Minha mãe fazia parte do Apostolado e quando ficou doente,não tirava sua fita do pescoço.Foi enterrada com ela.A Imagem que ela tinha,ficou comigo.Eu faço as comunhões nas primeiras sextas-feiras de cada mês.Depois que minha mãe faleceu,eu também entrei para o Apostolado e fiz a intronização do Sagrado Coração de Jesus e de Maria em minha Casa.Sou muito devota deles.Já alcancei inúmeras graças.E.L.O.

silvia disse...

Quero agradecer a Santa Terezinha pela graça alcançada, consegui engravidar e hoje estou com 3 meses de gravida graças a novena das rosas.
Obrigada Santa terezinha por esta graça.