segunda-feira, 7 de dezembro de 2009

Santo Ambrósio, Ilustre Padre da Igreja

Todos os autores da época em que viveu, e os posteriores, foram seus admiradores ou panegiristas. Suas obras são obrigatórias em qualquer estudo sério da história da Igreja.Por Plinio Maria Solimeo

Oriundo de antiga família de Roma que tinha dado à Igreja mártires, e ao Estado altos oficiais, Ambrósio era o terceiro filho do virtuoso prefeito das Gálias, cujo nome era o mesmo do santo. Essa era uma das quatro grandes prefeituras do Império, e o mais alto posto a que podia chegar um simples vassalo.

Compreendia os atuais territórios da França, Inglaterra, Espanha e Tingitana, na África. Tréveris, Arles e Lyon, suas três principais cidades, disputam a honra de ser o berço de Santo Ambrósio, que nasceu no ano 340.

Fora precedido uns dez anos antes por uma irmã, Marcelina, virgem consagrada que será também elevada à honra dos altares, e por Sátiro, seu irmão, que é também venerado como santo.

Por volta do ano 354, em que faleceu seu pai, a família voltou para Roma. A mãe, discernindo no filho caçula uma inteligência aguda e extraordinária aptidão para o estudo, deu-lhe os melhores professores da Cidade Eterna. Ambrósio cursou também com brilho as escolas superiores, unindo ao estudo os exercícios de piedade. Conservou-se sempre casto em meio à corrupção reinante.

Graduado em Direito, logo se distinguiu na Corte de Justiça pela eloqüência e habilidade. O prefeito pretoriano da Itália, Anicius Probus, chamou-o para seu conselho. Encantado com suas qualidades morais e intelectuais, obteve para ele, do imperador Valentiniano, o cargo de governador consular da Ligúria e Emília — que compreendiam então as províncias da arquidiocese de Milão, Turim, Gênova, Ravena e Bolonha — com residência em Milão. Ao despedir-se de Ambrósio, esse pagão foi profeta ao dizer-lhe: “Vá e aja não como juiz, mas como bispo”.

Providencialmente elevado ao episcopado

Igreja de Santo Ambrósio em Milão - Foto


Quando Ambrósio chegou a Milão, em 372, a cidade encontrava-se em situação religiosa deplorável, devido à influência da heresia ariana. Havia quase 20 anos que um herege e usurpador, Auxêncio, amparado pelo imperador Constâncio, apossara-se da sé de São Barnabé, obtendo o exílio do verdadeiro bispo, São Dionísio, que morreu no desterro.

Apesar de condenado pelo Papa São Dâmaso, o intruso permaneceu em seu posto até sua morte, ocorrida em 374. Com seu falecimento, os verdadeiros católicos queriam escolher um bispo fiel, e os arianos um que continuasse a favorecer a heresia.

Clero e povo reuniram-se na catedral para escolher o novo prelado, mas o conflito entre os partidos era tal, que ameaçava tornar-se verdadeira batalha. Ambrósio, por sua bondade, afabilidade, retidão e gentileza, conquistara os corações de todos. Julgou seu dever, como governador, acalmar os ânimos. Sua presença fez cessar o tumulto.

Ele aconselhou calma e submissão à decisão dos bispos. Quando terminou de falar, ouviu-se uma voz infantil exclamar: “Ambrósio, bispo!”. Esse brado caiu como um raio sobre a assembléia, que começou a repeti-lo acaloradamente.

Ambrósio não era clérigo. Além disso, segundo costume pouco recomendável do tempo, nem tinha sido batizado, era ainda catecúmeno. E o Concílio de Nicéia havia proibido que simples neófitos fossem promovidos ao episcopado. O perplexo Ambrósio alegou essa razão para fugir à tremenda responsabilidade. Nada, porém, abalou o povo, que era inspirado por Deus.
O caso foi levado ao Papa e ao imperador, que ratificaram a escolha.

Depois de muita resistência, Ambrósio curvou a cabeça, temendo contrariar a vontade divina. Foi batizado e recebeu as ordens menores e maiores. Uma semana depois, foi sagrado bispo. Tinha então 35 anos, e governaria a igreja de Milão por mais 23, plenos de atividades e realizações.

Ao tomarem conhecimento de sua sagração episcopal, seus irmãos acorreram a seu lado: Santa Marcelina, para ajudá-lo nas coisas práticas e na parte religiosa; e São Sátiro, para auxiliá-lo no aspecto temporal do cargo. Este devotado irmão, que renunciou a uma prefeitura para realizar essa missão, era muito unido a Santo Ambrósio. Por ocasião da sua morte prematura, poucos anos depois, Santo Ambrósio pronunciou dois comoventes elogios fúnebres, exaltando suas virtudes.

Formando-se para formar outros


Graduado apenas nas artes liberais, Santo Ambrósio entregou-se ao estudo das ciências divinas para completar sua formação sacerdotal. “Seus estudos eram de uma natureza eminentemente prática; ele aprendia o que devia ensinar.

No exórdio de seu tratado De Officiis, lamenta que, devido à rapidez de sua transferência do tribunal para o púlpito, era obrigado a estudar e a ensinar simultaneamente. Sua piedade, seu profundo julgamento e genuíno instinto católico preservaram-no do erro, e sua fama de eloqüente expositor da doutrina da Igreja chegou logo aos confins da Terra”.(1)

O fato é que Ambrósio aprofundou-se tanto nas ciências sagradas, que mereceu ser incluído entre os quatro principais Padres da Igreja Latina, recebendo também o título de Doutor da Igreja. Ele é considerado a principal testemunha dos ensinamentos da Igreja em seu tempo e nas épocas precedentes. Com isso, seus escritos adquiriram força e atualidade difíceis de se encontrar, mesmo em outros Padres da Igreja.(2)

Santo Ambrósio e Santo Agostinho

Ambrósio estava sempre pronto para receber seus fiéis, a qualquer hora do dia ou da noite, fossem eles aristocratas ou mendigos. Com isso, estava sempre atarefado, como escreve Santo Agostinho em suas famosas Confissões: “Eu não via meio de conversar com ele, como teria desejado, porque um exército de necessitados me impedia de chegar à sua presença”, diz ele referindo-se à época anterior à sua conversão.

Quando o encontrava só, tinha medo de o interromper: “Eu me sentava, e depois de ter passado longo tempo contemplando-o em silêncio — quem teria se atrevido a perturbar uma atenção tão profunda? — retirava-me pensando que seria cruel molestá-lo no pouco tempo que reservava para reconcentrar seu espírito no meio do tumulto dos negócios”.(3)

Por incrível que pareça, esse aparente pouco caso de Santo Ambrósio era mais útil espiritualmente a Santo Agostinho do que todo tempo que o santo porventura lhe dedicasse. Prova dessa afirmação constitui a própria conversão do grande Doutor de Hipona.

Apostolado por meio de seus escritos

Santo Ambrósio escreveu vários trabalhos sobre a virgindade, que o mais das vezes consistiam em sermões. O mais importante deles é o tratado Sobre as Virgens, dedicado à sua irmã Marcelina. São Jerônimo diz que ele foi o mais eloqüente e exaustivo de todos os expositores da virgindade, o que também é opinião da Igreja.

Seus escritos dogmáticos tinham por fim combater os hereges e os pagãos, e versam em geral sobre a divindade de Jesus Cristo, do Espírito Santo, e tratam também dos Sacramentos. Ele escreveu sobre esses temas contra os arianos; e seu trabalho sobre a confissão é uma refutação dos novacianos, hereges da época, cujos erros assemelham-se aos dos protestantes. O ilustre arcebispo escreveu também sobre o sacerdócio.

“Se Santo Ambrósio se dedicava com tanta solicitude a bem regular os leigos, aplicava-se com mais cuidado à boa disciplina de seus eclesiásticos. Sabia que um bom padre é um tesouro que não se pode estimar suficientemente, e que os grandes males da Igreja vêm da corrupção daqueles que a governam, como os maiores bens nascem de sua sábia conduta e bons exemplos. E que, para reformar o povo, é necessário começar pela reforma dos ministros do santo altar”.(4)


Luta tenaz contra os hereges arianos


Os arianos, que negavam a divindade de Cristo, conseguiram o favorecimento da imperatriz-mãe, Justina, que aderira à heresia. Ela exercia a regência em lugar de seu filho menor, Valentiniano II. Ora, o usurpador Máximo, governador da Grã-Bretanha, preparava seu exército para invadir Milão. Justina recorreu então a Santo Ambrósio para conseguir que o tirano mudasse de opinião. Isso realmente ocorreu.

Entretanto Justina, em vez de mostrar gratidão ao santo, exigiu-lhe a entrega de uma de suas basílicas para uso dos hereges arianos. Começou então uma longa batalha entre altar e trono. Santo Ambrósio afirmava: “Meus bens são da pátria, mas o que é de Deus, não tenho o direito de entregar”. Os arianos armaram ciladas, tentando até mesmo assassinar o bispo, mas este não cedeu. O povo era-lhe favorável.

Na Semana Santa, os soldados de Justina cercaram a catedral repleta de povo. Durante os oito dias em que permaneceu no templo com os fiéis, Ambrósio, para entretê-los, compôs seus famosos hinos, segundo o uso no Oriente, que a Igreja assumiu como seus.

Durante esses dias foram encontrados os corpos dos mártires São Gervásio e São Protásio. Os milagres que operaram à vista de todos, mais de um século após sua morte, consolidaram a vitória do arcebispo contra os arianos.

O valor do arrependimento e da penitência

O bom entendimento de Santo Ambrósio com o imperador Teodósio, que se estabeleceu temporariamente em Milão, foi rompido. Em Tessalônica, o governador da cidade fora morto pela população enraivecida, porque havia posto a ferros um comediante muito querido da multidão.

Num primeiro assomo de ira, Teodósio decretou que todos, sem exceção, fossem passados a fio de espada, num total de sete mil pessoas. Quando o imperador arrependeu-se desse ato, já era tarde.

Santo Ambrósio converte o imperador Teodósio – Pierre Subleyras, 1745. Galeria Nacional, Peruggia (Itália) - Foto

Santo Ambrósio admoestou-o, proibindo-o de entrar na catedral enquanto não fizesse penitência pública pelo pecado cometido. Na oração fúnebre que fez desse imperador, Santo Ambrósio narra o que seguiu: “Despojando-se de todo emblema da realeza, ele deplorou publicamente na igreja o seu pecado.

Essa penitência pública, da qual os particulares fogem, um imperador não se envergonhou de fazer; nem houve depois um dia em que ele não se afligisse por seu erro”.(5) Nessa ocasião, Eugênio, que desejava restaurar o paganismo, usurpou o trono imperial. O invicto Teodósio foi ao seu encalço e o derrotou. Dividiu então o Império entre seus filhos Arcádio e Honório, e morreu pouco depois, tendo a seu lado Santo Ambrósio, que lhe administrou os últimos sacramentos.

O grande arcebispo seguiu o imperador dois anos depois, falecendo na noite do Sábado Santo, 4 de abril de 397. Sua festa foi fixada para o dia 7 de dezembro, aniversário de sua sagração episcopal.

Notas: 1. James F. Loughlin, St. Ambrose, The Catholic Encyclopedia, online edition, www.newadvent.org. 2. Chamam-se Padres da Igreja certos escritores eclesiásticos antigos, que se distinguiram pela pureza de doutrina e santidade de vida, sendo reconhecidos pela Igreja como testemunhas da Tradição divina. 3. Apud Fr. Justo Perez de Urbel, O.S.B., Año Cristiano, Ediciones Fax, Madri, 1945, tomo IV, p. 492. 4. Les Petits Bollandistes, Vies des Saints, Bloud et Barral, Libraires-Éditeurs, Paris, 1882, tomo XIV, p. 101. 5. James F. Loughlin, op. cit.

Nenhum comentário: