terça-feira, 17 de novembro de 2009

Requintes medievais na arte de ensinar aos alunos


Para os homens da época (medieval), as palavras eram transparentes: havia um prazer muito grande em saborear o sentido etimológico delas.

Os intelectuais de então diziam que o homem é um ser que esquece suas experiências. Ele consegue resgatá-las através da linguagem .

Assim, a expressão educação era entendida como estando associada à sua raiz etimológica latina: educe, “fazer sair”.

Foto - Jovem Doutor em leis, SéculoXV

Como o conhecimento já existia inato no indivíduo, restava responder à seguinte pergunta: de que modo o estudante era conduzido da ignorância ao saber?

Como o aluno aprendia? Essa era a questão básica dos educadores medievais.

Preocupados com a forma da aquisição, os pedagogos de então tiveram uma importante consciência: cabia ao professor “acender uma centelha” no estudante e usar seu ofício para formar e não asfixiar o espírito de seus alunos. Muito moderna a educação medieval!


Por Ricardo da Costa, Prof. Adjunto de História Medieval da Universidade Federal do Espírito Santo. Texto completo em Mania de História.


Nenhum comentário: