quinta-feira, 16 de julho de 2009

Nossa Senhora de Chiquinquirá,Rainha e Padroeira da Colômbia - I

A imagem de Nossa Senhora de Chiquinquirá, representada num quadro, foi canonicamente coroada há exatos 90 anos na catedral de Bogotá. A comemoração se dá no dia 9 do presente mês.

Um dos primeiros dentre os muitos títulos de glória e nobreza da Colômbia, que não inutilmente foi um dia a porta para a fé e a civilização, está o de ser um povo ardentemente mariano. Seu solo rico e formoso, tanto nos cumes imponentes de suas cordilheiras como nas risonhas e fecundas terras baixas, se nos apresenta como um manto precioso onde os incontáveis santuários da Mãe de Deus se parecem com pérolas e rubis: desde Nossa Senhora da Penha, em Bogotá, até a Virgem da Popa, em Cartagena; desde a do Rosário, em Tunja, ou a de Monguí ou a da Candelária, em Medellín, até a devotíssima Nossa Senhora de las Lajas; dominando sobre todas estas invocações, como o sol entre as estrelas, Nossa Senhora de Chiquinquirá” (Pio XII, Alocução de encerramento do II Congresso Mariano Nacional, em 16 de julho de 1946).

Por volta do ano de 1562, o curador da cidade de Suta, Antonio de Santana, encarregou Alonso de Narváez, um especialista em prata de Tunja, de pintar um quadro da Virgem do Rosário, a fim de ser venerada em sua capela.

O artista utilizou como tinta misturas de terra de diferentes cores, junto com o sumo de algumas ervas e flores; e como tela, uma manta de algodão, mais larga que longa. Para não deixar vazios os espaços nas laterais da Mãe de Deus, pintou à sua direita Santo Antônio de Pádua, e à esquerda Santo André Apóstolo – o primeiro em honra do curador, e o outro em agradecimento ao irmão leigo dominicano Frei André de Jadraque, que presumivelmente atuou como intermediário.

Concluída a pintura e paga a conta, foi ela exposta à veneração de espanhóis e índios no altar da capela de Suta. Maravilhosa iluminação e prodigiosa renovação

Paulatinamente, por uma disposição superior, os dominicanos deixaram as missões, sendo substituídos pelo clero secular, que em 1574 encarregaram-se delas. Quando chovia, entrava muita água pelo teto mal vedado, e com o tempo o quadro foi se deteriorando, seja por relaxamento do curador, ancião atacado por doenças, seja por negligência do pároco, que não se fixou na cidade e foi substituído.

Em 1578, assumiu esse cargo o presbítero Juan Alemán de Lequizamón, que removeu o quadro da capela de Suta, por considerá-la pouco digna, e o devolveu a seu dono, que o destinou à sua fazenda em Chiquinquirá. Com a morte do curador Antonio Santana, em 1582, sua viúva, Catalina García de Irlos, passou a residir naquela fazenda.

Anos depois, Maria Ramos Hernández, parenta do falecido, chegou a Chiquinquirá e descobriu a pintura, totalmente descolorida, suja e gasta. Sua piedade levou-a a limpá-la, emoldurá-la e pendurá-la no lugar mais apropriado da fazenda, que servia como capela. Diariamente ela lhe oferecia suas orações e dirigia-lhe as seguintes palavras: “Até quando, Rosa do Céu? Até quando haveis de estar tão escondida? Quando chegará o dia em que vos manifestareis?”.

Chegamos assim à sexta-feira, 26 de dezembro de 1586. Por volta das nove horas da manhã, passava por ali a índia cristã Isabel conduzindo seu filho, o menino mestiço Miguel, de quatro anos, que disse: “Mãe, olhe a Mãe de Deus que está no chão”. Ela viu então a Santíssima Virgem espargindo um resplendor celestial que enchia toda a capela.

Dirigindo-se a Maria Ramos, disse-lhe em voz alta: “Olhe, olhe, senhora, que a Mãe de Deus desceu de seu lugar e está ali, de pé sobre o teu assento, e parece que está se queimando”. Dona Maria voltou o rosto para o altar, e viu com assombro a transformação que se havia operado na pintura, “tão lúcida e renovada de cores alegres e celestiais, que era uma glória vê-la”. A notícia correu como rastilho de pólvora


O fato prodigioso espalhou-se pela vizinhança, e logo chegou a Suta. Começou a afluir gente de todas as partes, uns atraídos pela curiosidade, outros em busca de algum milagre. A informação não tardou a chegar aos ouvidos da autoridade eclesiástica, que ordenou primeiro uma informação em Chiquinquirá, e depois um processo em Tunja.

Enquanto aumentava a devoção popular, operavam-se as primeiras curas. Ao mesmo tempo, começou a propagar-se em Tunja uma fatídica peste, que ia dizimando seus habitantes. Quando os recursos humanos se mostraram inúteis, uma delegação partiu para Chiquinquirá, a fim de implorar que lhes “emprestassem” o quadro por alguns dias. Assim, no primeiro ano de sua milagrosa renovação, o quadro milagroso esteve em Tunja e venceu a peste.

Entre as pessoas que se aproximaram para venerar a imagem, figurava o velho pároco de Leguizamón, que havia retirado a pintura da capela de Suta “por achá-la excessivamente desfigurada e estragada”. Admirado pelo fato miraculoso, exclamou: “Virgem e Mãe de Deus, se em alguma coisa vos ofendi por tirar-vos do altar no qual estáveis, suplico-vos que me perdoeis”.

A 14 de agosto de 1588 chegou a Chiquinquirá, recentemente elevada a paróquia, o próprio arcebispo de Santa Fé de Bogotá, Frei Luís Zapata de Cárdenas, acompanhado do comissário do Santo Ofício e do presidente encarregado da Real Audiência. Queriam ver pessoalmente a pintura, as pessoas favorecidas com a sua transformação, e investigar o prodígio.

Dissipadas as dúvidas e caracterizado o acontecimento como extraordinário, foi ordenada a construção do primeiro templo digno desse nome. Mais tarde, em 1636, os padres dominicanos voltaram para tomar definitivamente posse do lugar.

A tela de Alonso de Narváez mede 1,10 m de altura por 1,25 de largura. O rosto da Virgem é de cor branco-pérola. Tem os olhos quase fechados e o rosto voltado para seu Divino Filho, sustentado amorosamente em seu braço esquerdo.

Ambos ostentam esplêndidas coroas. Cobre sua cabeça um véu branco, que cai formando pregas e se recolhe sobre o peito. Na mão direita segura um cetro, e na outra o rosário. O Menino sustenta com a direita um fio atado ao pé de um passarinho colorido, representado sobre o peito de sua Mãe; na mão esquerda carrega também seu rosário. A túnica é de cor rosa claro, e o manto azul celeste. Os pés da Virgem pisam o crescente.

Por Pablo Luis Fandiño

Fonte: Catolicismo

Nenhum comentário: