sábado, 28 de fevereiro de 2009

As revelações de Quéops, a Grande Pirâmide I


O Pe. Moreux foi um sacerdote astrônomo que se interessou pela arqueologia. Segundo ele, a razão foi que as tábuas astronômicas dos povos mais remotos esclarecem muitos problemas relativos à história mais longínqua.

Ele explica que os eclipses não duvidosos registrados pelos sábios da China não têm mais de 4400 anos.

As tabelas dos indianos foram criadas a posteriori e mal calculadas. Os livros sagrados indianos — os Vedas — sem dúvida são posteriores a Moisés, e a coleção Surya-Siddantha, que segundo os brâmanes teria milhares de anos, na realidade no máximo é do século XI d. C. A lenda de Chrishna é um pasticho grosseiro dos Evangelhos.

“Na hora atual, ninguém contesta que é do lado do Egito que é preciso procurar, gravados em pedra, os testemunhos mais longínquos de um pensamento escrito” , conclui ele.
Quem eram os egípcios tão presentes na História Sagrada?

Por volta do ano 4.000 a.C. tribos errantes chegaram às ribeiras do Nilo. Elas vieram da Assíria, a través da Caldéia. Sua ascendência era semita mesclada com camitas oriundos do Oceano Indico e da Babilônia.

A história egípcia acaba no ano 525 a. C., quando Cambises, rei de Pérsia, conquistou o reino, e acabou com a 25ª e última dinastia.

O interesse pelos egípcios é por causa de sua civilização, uma das maiores portadoras de tradições orais que vinham de Adão.

Sem dúvida, os transmissores mais fidedignos dessa tradição, sobretudo no campo moral e religioso formaram o filão que gerou Abraão.

Outras estirpes e raças guardaram melhor outros aspectos. Os caldeus, a astronomia por exemplo.

Os egípcios, a ciência, o simbolismo e a arquitetura.

Há perguntas que ficam no ar. Todos esses povos, ainda muito pouco numerosos, estavam reunidos em torno da Torre de Babel.

De algum modo, eles participaram naquela tentativa orgulhosa que deu num fracasso e a punição divina: eles não conseguiram mais se entender.

Com a confusão das línguas veio a dispersão. Eles saíram em todas as direções da Terra.
Os egípcios estariam entre os arquitetos da Torre de Babel?

Outra pergunta: os antepassados dos índios que vieram à América o que faziam no tempo de Babel?
Por certo, algumas tribos tinham grandes conhecimentos de arquitetura (como o provam as pirâmides maias) e de astronomia (Machu Pichu).

Os índios amazônicos formaram cidades com construções piramidais. Se eles estão como estão é pela decadência moral e cultural. Isto não espanta ninguém. Os Maias ‒ ao que tudo indica, os mais cultos ‒, decaíram também, e ao ponto de desaparecerem.


Os Incas estavam no último ponto da queda quando chegaram os conquistadores espanhóis. Os Astecas do México também tinham templos e construções piramidais.

Tudo isto sugera um tempo em que os povos os mais distantes, um dia estiveram reunidos e partilharam um mesmo saber e uma mesma cultura. I. é, a humanidade de antes da Torre de Babel.

Voltando ao Egito, o Pe. Moreux explica: “os verdadeiros egiptólogos concentram toda sua atenção nos túmulos reais mais antigos, contemporâneos de uma época em que a civilização ainda teve tempo de alterar as tradições primitivas.”

Acredita-se que Menes, primeiro faraó, estabeleceu a unidade egípcia, mas se ignora quase tudo sobre ele, salvo que teria reinado por volta do ano 3.300 a.C. — data sobre a qual não há consenso.

O interesse histórico se concentra nos reis da IV dinastia, por volta de 2500 a.C.. Nesta época surgiram as Grandes Pirâmides de Quéops, Quéfren e Miquerinos.

“A maior, Quéops, o Khuvu das inscrições hieroglíficas, chama imediatamente a atenção pelas suas proporções fantásticas”, sublinha o Pe. Moreux.

Quéops tem perto de 150 metros de altura e uma base de cinco hectares; pesa 6 milhões de toneladas e a riqueza do Egito [no ano em o Pe. Moreux escreveu o livro] não seria suficiente para pagar os operários encarregados de demoli-la.

Para construí-la, criou-se um enorme viaduto de 925 metros de extensão e 19 de largura, feito de pedras polidas e ornado com figuras de animais ‒ assim narrou o historiador grego Heródoto (II, 124).

Alguns blocos têm 10 metros de extensão. Um deles supera os 170 metros cúbicos e pesa mais de 470 toneladas. Não se consegue passar o fio de uma faca entre pedra e pedra, de tal maneira estão bem encaixadas sem usar cimento algum.

As pirâmides serviram de túmulos para faraós e magnatas. Mas, a de Quéops é intrigante. Certamente jamais houve nela múmia alguma.

Os nomes câmara do rei, câmara da rainha no caso de Quéops são fantasiosos.

Não há inscrições funerárias como nas outras.
No local onde deveria haver um sarcófago, na câmara do rei, só há uma bacia de pedra admiravelmente entalhada.


O Pe. Moreux sublinha:“a Grande Pirâmide não é um túmulo. Então, com qual finalidade foi construída? Mistério”.


Um comentário:

Anônimo disse...

Milagre pessoal!!!
Meu nome é Renata de Souza, tenho 26 anos, sou catequista e vou postar

meu Lindo Testemunho. Eu namorava há 2 anos com um rapaz 4 anos mais

novo que eu , ele era da Igreja Católica inclusive ministro da

Eucaristia e coordenador do grupo de jovens que eu frequentava. Pois

bem, namoramos 2 anos e neste tempo ele afastou da igreja, quase nem

participava mais da Santa Missa, depois de várias discussões e um rompimento terminamos o namoro, isto foi onde tudo começou.
No inicio fiquei mal, ligava para minha ex-sogra e ela me falava que

ele estava benbendo muito, saindo todo final de semana. E eu decidi que

não iria ficar com ninguem , sofri mas comecei a rezar, entrei na

internet para iniciar uma novena, foi quando vi a da Nossa Senhora das

Rosas, e iniciei a oração, mas nunca terminava, um dia decidi que iria

fazer até o final. Com isso, sempre me surpreendia com algum sinal de

rosas que nossa senhora me dava ( as vezes olhava para o lado e via

alguem com camiseta de rosas, ou a própria imagem de rosas), um dia

estava durmindo e senti um cheiro maravilhoso de rosas no meu

quarto.Ai, já imaginei que minha graça estava quase chegando.Quando terminei minha novena, na mesma semana sai com minhas colegas, eu imagina qu e íamos para um lugar, mas fomos para outro, ai eu aceitei, já que já estava no carro mesmo.
Neste lugar conheci um rapaz, que me chamou para dançar e iniciamos a conversar, no meio da conversa uma senhora estava vendendo rosas, e ele ofertou uma para mim (até me emociono quando lembro). Aceitei a rosa me perguntando, será??? Será que é o sinal da minha novena??? Confesso que fiquei descrente, afinal ainda tinha esperança de retornar com meu ex-namorado. Então, combinei de sair com este rapaz, e não contei de minha novena, dois dias depois ele me chamou para namorar... Acrecitam, um rapaz que NUNCA tinha me visto me chamou para namorar e justo na minha novena fiz a intenção que se eu namorasse novamente o rapaz iria me entregar um rosa, assim como ele fez!! Pois bem, aceitei o namoro e uma semana depois, ele ofetou outra rosa.
Pois é pessoal, moral da história, Nossa Senhora sempre está do nosso lado, independente do momento que passamos, ele sempre irá interceder por nós. Confiei na novena e hoje estou MUITO FELIZ.
Obrigada Jesus e Nossa Senhora da Rosa Mística por tudo.Continuarei rezando.