sexta-feira, 16 de maio de 2008

A atividade medieval nas catedrais

Na Idade Média, construía-se a casa de Deus como imagem da Jerusalém Celeste, e essa casa de Deus era admirável. Ela era o lugar do culto e a casa do povo.

A legislação eclesiástica fazia diferença entre o santuário — onde o povo não entrava — e o resto da superfície da catedral. Essa distinção era necessária.

O espírito do século XX ficaria chocado pela animação e as atividades que podiam se desenrolar antigamente no interior das igrejas. Ali se dormia, se comia, se podia falar sem necessidade de cochichos.

Ali se circulava muito mais livremente do que hoje, porque não havia bancos.

Ali as pessoas se encontravam, para discutir coisas que muitas vezes não eram diretamente religiosas.

Era lá também que os representantes da comuna reuniam-se para falar dos negócios da cidade.

Pode-se notar que, em certas cidades que tinham comunas, e onde foram erigidas grandes catedrais, os burgueses não construíam prefeituras.

Conhece-se um texto eclesiástico interditando uma certa comuna de se servir da catedral como sala de reuniões. Tal interdição prova que isso era fato corrente. Não era, evidentemente, um direito, mas uma tolerância da Igreja.

Em Marseille, as reuniões dos conselheiros, cônsules e dirigentes de negócios tinham lugar regularmente na Igreja de "Major".

Para se entender isso tudo, é necessário compreender que os homens viviam em contato diário com o divino.

Era-se muito mais íntimo com Nosso Senhor do que os fiéis de hoje, que, o mais das vezes, só estão com Deus Domingo de manhã, em sua igreja paroquial.

(Fonte: Jean Gimpel, "Les bâtisseurs des cathédrales", Éditions du Seuil, Paris, p. 43)

(do blog Catedrais Medievais)


___________________________



-

Um comentário:

Anônimo disse...

ESTE DEPUTADO É UM POBRE HOMEM SEM FÉ, VAMOS ENTREGAR NAS MÃOS DE DEUS! NOSSA SENHORA APARECIDA É E SEMPRE SERÁ A PADROEIRA DO BRASIL.VOCÊ SENHOR DEPUTADO JAMAIS IRÁ ENTRAR NA CASA DO SENHOR JESUS CRISTO, TU ÉS UM ANIMAL SEM LUZ!!!!