quarta-feira, 30 de abril de 2008

Senhor Bom Jesus de Tremembé

A seis quilômetros de Taubaté, no Vale do Paraíba, situa-se a antiga e pitoresca cidade paulista de Tremembé.

Seus trinta e dois mil habitantes, ainda cheios de religiosidade, cresceram dentro de um cenário rico em tradições que se mantém vivas, graças ao espírito familiar que os caracteriza e os irmana.
Sua história tão encantadora faz jus à cidade e a seus arredores. Tudo remonta ao aparecimento miraculoso da imagem do Senhor Bom Jesus de Tremembé.

A fundação da vila deu-se no ano de 1669, quando o capitão-mor Manuel da Costa Cabral obteve permissão para erigir uma capela ao Senhor Bom Jesus, em terras de sua propriedade.

Conta-nos a legenda ter, certo dia, aparecido no arraial um velho peregrino de todos desconhecido. Construiu para si uma pequena cabana na qual se trancou, pouco saindo e com ninguém mantendo contacto.

Ali, permaneceu a sós, longe dos olhares; numa rotina de mistérios, mas nem por isso deixando de chamar enormemente a atenção da circunvizinhança.

De repente, desapareceu o velho sem deixar vestígios nem de onde viera nem para onde partira.

Curiosos, os vizinhos dirigiram-se à choupana abandonada e encontraram - para surpresa e alegria geral - uma imagem do tamanho natural de um homem, de belas linhas anatômicas contrastando com expressiva fisionomia de dor, que caracterizam exatamente a atual imagem do Senhor Bom Jesus de Tremembé.

Havia se operado evidente milagre, levando a crer tratar-se de um enviado de Deus o velho peregrino, que deixou na vila uma dádiva do Céu.

Os fiéis, cheios de fervor, para melhor venerarem a imagem, edificaram nas cercanias uma ermida, onde o Senhor Bom Jesus prodigalizava seus favores. Prodígios e milagres que prosseguem até nossos dias, como se pode constatar visitando a sala de milagres existente no próprio edifício da majestosa igreja matriz ou Santuário Menor.

Outro milagre deu-se por ocasião do traslado da imagem da cabana até à ermida. No local onde o Senhor Bom Jesus pousava seus pés, brotou uma fonte cristalina que constitui a atual fonte santa, cujas águas possuem o dom da cura das enfermidades.

No início deste século, ocorreu outro prodígio por ocasião da "gripe espanhola" que assolou Taubaté, causando entre seus habitantes grande número de vítimas. Tendo os fiéis dessa cidade pedido que a imagem venerável do Senhor Bom Jesus viesse em seu socorro, a fim de protegê-la da epidemia que ceifava inúmeras vidas, ficou ela exposta à veneração pública durante dias seguidos.

Não tardou, com efeito, o termo da enfermidade para alegria e conforto de todos. Após esse fato extraordinário, a imagem desapareceu inexplicavelmente para reaparecer, dias depois, na igreja matriz de Tremembé, em seu altar de costume.

O povo acorreu pressuroso ao templo para tomar conhecimento do ocorrido. Após uma análise cuidadosa da imagem, nada de estranho se notou nela, salvo seus pés cheios de barro e poeira da estrada que ligava as duas cidades.

Soube-se, pouco depois, que moradores das margens do caminho tinham visto o Senhor Bom Jesus caminhando em direção à sua cidade e matriz de origem.

Embora não encontrássemos referências escritas a esse último prodígio, ele constitui voz corrente, voz do povo dos dois municípios.

Conhecemos tais pequenas jóias em viagem por essa aconchegante região e contactando pessoas das mais gradas às mais simples daquele bom povo de Deus.

Se ao deixarmos Tremembé sentimos saudades, ganhamos, em contrapartida, um ornamento para nosso espírito. Não são as saudades o ornato da vida?

Praza a Deus possa o leitor sentir, em alguma medida, semelhantes saudades que gostaríamos de compartilhar com cada um pessoalmente, evocando esta pequena história.

Se puder, vá algum dia a Tremembé e recorde-a durante a visita. Reze ao Senhor Bom Jesus, pedindo-lhe que proteja . sempre o Brasil; e reze sobretudo, para que nós brasileiros tenhamos saudades da casa paterna da qual nunca deveríamos ter saído.

Certamente sentirá saudades ao sair de Tremembé. Reconforte-se pois com este ornamento para toda a sua vida. Afinal, as boas saudades configuram um sentimento próprio do Brasil real, do Brasil brasileiro.

[Fonte: revista Catolicismo]

Nenhum comentário: