quinta-feira, 13 de março de 2008

Bispos brasileiros denunciam engano de falsas católicas que promovem aborto

A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) publicou uma nota em que esclarece aos fiéis que as autoproclamadas "Católicas pelo Direito a Decidir", "não são uma organização católica e não fala pela Igreja Católica".

A nota declara que a CNBB recebeu numerosas consultas sobre a polêmica ONG e seus pronunciamentos infestados de pontos contrários à doutrina e à moral católicas.

"Trata-se de uma entidade feminista, constituída no Brasil em 1993, e que atua em articulação e em rede com vários sócios no Brasil e no mundo, em particular com a organização norte-americana chamada ‘Catholics for a Free Choice’. Sobre esta última, a Conferência de Bispos Católicos dos Estados Unidos fez várias declarações, destacando que o grupo defende publicamente o aborto e distorce os ensinamentos católicos sobre o respeito e a proteção devidos à vida do não nascido indefeso; é contrária a muitos ensinamentos do Magistério da Igreja".

Em janeiro passado, o periódico Gazeta do Povo denunciou que como parte da Campanha de Fraternidade 2008, a produtora Verbo Filme produziu um vídeo que recolheu a postura das falsas católicas, que aproveitaram a oportunidade para criticar à Igreja por sua defesa do não nascido.

Os DVDs foram retirados por ordem da CNBB e representantes católicos exigiram aos bispos um pronunciamento oficial sobre este incidente.


Quem são?
A organização "Católicas pelo Direito a Decidir" ou CFFC ("Catholics for a Free Choice") foi fundada em 1970 para promover o aborto atacando à Igreja Católica.

Sua estratégia é confundir aos fiéis e sua agenda fomenta a anticoncepção, a esterilização, o lesbianismo, a homossexualidade, o feminismo radical e as doutrinas New Age.

Embora se apresenta como um grupo de leigas católicas dissidentes, a CFFC foi denunciada por bispos e entidades pró-vida em vários países do mundo como uma organização anti-católica, anti-vida e anti-família.

Seu primeiro presidente foi o ex-sacerdote jesuíta, Joseph O'Rourke, expulso da Companhia de Jesus em 1974. Entre 1980 e 2007, sua presidenta foi a ex-religiosa, Frances Kissling, ex-diretora de uma das primeiras clínicas de aborto legal em Nova Iorque e fundadora da Federação Nacional do Aborto.

Kissling apresentou sua organização como se fosse a voz legítima de dissensão entre os católicos. Entretanto, sabe-se que o grupo conta com um número reduzido de ativistas e é financiado principalmente por grandes transnacionais abortistas como as fundações Ford, Sunnen, J.D. MacArthur, Noyes e Gund.

Atualmente, o grupo opera nos Estados Unidos, América Latina e África.

Fonte: Acidigital


5 comentários:

Anônimo disse...

Nos dez mandamentos não diz:
não mataras?
AS LEIS DE ***DEUS PAI TODO PODEROSO***, SE ESQUECERAM?

As espadas cortam ?
Vocês gostam?

VIDA É VIDA, AMOR É AMOR...
QUEM MATA, SENTE AMOR?

José disse...

NOS, OS CRISTÃOS... FALAMOS BONITO!!! SERRA QUE QUANDO FAZEMOS, TAMBÉM FAZEMOS BONITO???
ESTAMOS SEMPRE PRONTOS A ACONSELHAR. TEMOS SEMPRE A MANEIRA CORRETA DE SE PORTAR DIANTE DOS FATOS, PARA OS OUTROS... HOJE VAMOS VIVER O SILENCIO DENTRO DE NOSSO SER. COMO ESTAMOS RESPEITANDO O DOM DA VIDA, QUE DE GRAÇA RECEBEMOS DO CRIADOR. É SIMPLES, OS ALIMENTOS, AS OCUPAÇÕES, O TRATAMENTO COM O NOSSO SEMELHANTE...

Anônimo disse...

Excelente o pronunciamento da CNBB à respeito deste assunto que a muito vinha me incomodando, enquanto Católica Apostólica. Sou estudante de Teoloia em uma faculdade Católica e tive a oportunidade de assistir o vídeo da Campanha da Fraternidade, na íntegra, com o depoimento de uma senhora desta Oranização intitulada "Católica pelo Direito de Decidir", em uma aula de Bioética. Fiquei muito intrigrada com o que vi e ouvi. Achei corretíssima a postura da CNBB em retirar o depoimento dessa senhora, que em nada me convenceu, do Vídeo que tem o objetivo de defender e promover a vida.
Nós Católicos não podemos jamais nos omitir ou nos acovardar diante de fatos como este. Temos que defender a vida sim, em todas as suas circunstâncias, e defender a nossa Igreja, a Fé que professamos.
Acho de uma hipocrisia e de um oportunismo tremendo organizações dessa estirpe, usarem o nome da Igreja de Cristo para tentar persuadir as pessoas a matarem, e a colaborarem com esse crime hediondo, sem contar o pecado, com argumentos pobres, sem nenhum embasamento bíblico.
Essa divulação deveria ser feita em rede nacional em horário nobre, para que todos, Católicos e não Católicos ficassem inteirados da verdade; saber que tal organização não tem nenhum vínculo com a nossa Igreja, muito menos seu apoio. Pois muitas pessoas acreditam no contrário e se indignam, aproveitando para fazerem comentários pejorativos à respeito da postura da Igreja.
Estou aliviada e feliz com essa notícia. Que o Espírito Santo de Deus, que rege a nossa Igreja, nos ajude para que o maior número de pessoas possam tomar conhecimento dessa verdade!
Parabéns à nossa Igreja e à CNBB!!
Paz e Fogo!

Elvira M. e Sousa
Estudante de Teologia

Anônimo disse...

Que esta minoria infeliz não consiga difundir estas idéias
mizeraveis entre os povos.




mauro

Anônimo disse...

Excelente esclarecimento foi este dado ao povo, pois as pessoas estam carentes de Deus, e qualquer comentário que chega mal aos olhos dos leigos, são acreditados como se fossem a verdadeira vontade de Deus. Deus porém não quer que pratiquemos atos contrários a sua vontade,portanto os tempos modernos fazem com que os jovens não cuida do proprio corpo, muito menos da alma e do espírito.
A fé em Deus e nas coisas divinas são ignoradas, quase ninguem sabe do poder que Deus exerce sobre nõs e por isso perecem nas drogas, alcool, prostituição, e outras violencias que a vida mundana proporciona.
Claudia/Machado