terça-feira, 22 de janeiro de 2008

Pequeno Catecismo da devoção ao Sagrado Coração de Jesus - parte 2


11.Quais são as formas de amor do Divino Salvador que nós aqui adoramos?

O Verbo Encarnado tem duas naturezas numa só Pessoa. Na devoção ao Sagrado Coração, adora-se em Nosso Senhor o amor criado, isto é, o amor de sua natureza divina; e o amor criado, isto é o amor de sua natureza divina; e o amor criado, isto é, o amor de sua natureza humana, e em todas as suas manifestações. Normalmente, o que mais toca o devoto é a consideração do amor de Nosso Senhor, recusado e desprezado pelos homens.


12. Qual o termo final de nossas homenagens nesta devoção?

O termo final de nossas homenagens é a Pessoa de Jesus Cristo.

Ensina Santo Tomás de Aquino (e essa doutrina é adotada pela unanimidade dos teólogos), que todo respeito e toda honra dirigem-se à pessoa.

Assim, em seu sentido amplo, a palavra Coração significa a própria Pessoa do Divino Redentor.

Essa transposição do Coração à Pessoa aparece continuamente nos escritos de Santa Margarida Maria.

13. Por que quer Jesus Cristo ser cultuado por meio de símbolos sensíveis?

Ele quer ser cultuado por meio de símbolos sensíveis porque, conforme explica Santo Tomás de Aquino, o homem, não sendo puro espírito, precisa das coisas sensíveis para chegar ao conhecimento das espirituais. Para conhecer Deus, precisamos vê-Lo em suas criaturas, nas suas representações e imagens. Quanto mais elas são perfeitas, tanto mais alta é a idéia que formamos da Divindade.

Esse é, aliás o fundamento natural do culto às imagens e da liturgia católica.

14. Por que Nosso Senhor escolheu o coração como símbolo de seu amor?

Por uma razão pedagógica: o coração, representado na concepção popular a sede do afeto, da compaixão e do sentimento, seria o símbolo que melhor exprimiria o amor de Cristo por Deus Pai e pelos homens.


15. De que maneira o Redentor quis que seu Coração simbolizasse seu amor?

Nosso Senhor apareceu a Santa Margarida Maria mostrando seu Coração divino envolto em chamas, rodeado por uma coroa de espinhos e encimado por uma cruz. É uma representação própria a despertar em nós sentimentos de gratidão, de reparação e o desejo da consagração.


16. Quais são as principais práticas da devoção ao Sagrado Coração?

As principais práticas de piedade são as seguintes:

1ª Prática: Comunhão Reparadora nas Primeiras Sextas-Feiras de cada mês. – A Comunhão reparadora na primeira sexta-feira de cada mês foi pedida expressamente por Nosso Senhor a Santa Margarida Maria. O zelo que a Santa manifestou em difundi-la mostra bem que a considerava uma parte integrante da devoção. Ligada a esta prática está a assim chamada GRANDE PROMESSA (Ver perguntas de nº 36 a nº 39).

2ª Prática: Comunhão freqüente. – Um dos pedidos de Nosso Senhor a Santa Margarida Maria foi o de “comungar tantas vezes quantas puder”.

3ª Prática: Consagração. – Esta prática comporta dois elementos: a consagração propriamente dita, que é conveniente renovar periodicamente: e o propósito de viver em conformidade com essa consagração, buscando apenas os interesses do Sagrado Coração.

Embora a consagração, enquanto tal, não imponha obrigações novas, ela exige de maneira séria e constante a prática dos deveres de todo cristão. Ela corresponde, em última análise, a uma renovação das promessas do Batismo. Manifesta a vontade de fidelidade ao maior dos Mandamentos: “Amarás o Senhor teu Deus com todo o teu coração, com toda a tua alma, com todo o teu entendimento, e com todas as tuas forças” (Mc 12,30).

4ª Prática: Hora Santa. – Nosso Senhor havia comunicado a Santa Margarida Maria: “Todas as noites de quinta para sexta-feira, te farei participar na mortal tristeza que quis sofrer no Horto das Oliveiras”.

A Santa tomou então o hábito de ficar em adoração diante do Santíssimo Sacramento nesse dia, das onze horas à meia-noite, em reparação e união aos sofrimentos de Nosso Senhor. Durante essa hora ela meditava especialmente nas dores morais de Nosso Senhor no Jardim das Oliveiras, na Quinta-Feira Santa.

Isso inspirou a prática da Hora Santa, que pode ser feita em casa, na igreja, em particular ou em comum, e a qualquer hora. Consiste no exercício de oração mental ou vocal, contemplando a Agonia de Nosso Senhor.

5ª Prática: Exposição e veneração da imagem do Sagrado Coração de Jesus. – A imagem do Sagrado Coração ocupa lugar destacado nos desejos e nas promessas de Nosso Senhor a Santa Margarida Maria. Jesus prometeu grandes graças àqueles que a levassem consigo ou a colocassem nas suas casas, escritórios, fábricas etc.

Sua representação clássica consiste em um coração, aberto no lado, envolto em chamas, rodeado por uma coroa de espinhos e encimado por uma chama mais potente e uma cruz. Ou ainda, a imagem de Nosso Senhor, com esse coração sobre o peito e o indicador da mão esquerda apontando para ele.

Finalmente, a devoção ao Sagrado Coração, pregada por Santa Margarida Maria, é uma devoção de reparação ao amor menosprezado e ultrajado de Jesus Cristo pelos homens. Por isso, o espírito de reparação deve animar todos os seus atos.


17. Haveria ainda outras práticas recomendadas aos devotos do Sagrado Coração?

Sim. Entre elas, a inscrição em associações pias, como o Apostolado da Oração; as orações e sacrifícios pelas almas do Purgatório; a recitação de ladainhas e outras preces em louvor do Sagrado Coração (ver Devocionário).


18. Quais são as devoções que mais se relacionam com o culto ao Sagrado Coração?

São as seguintes:

A devoção ao Verbo Encarnado – Todas as devoções têm por objeto a Pessoa de Nosso Senhor, não importa sob que aspecto O considerem. Elas são muito numerosas. Algumas O consideram glorioso; outras, triunfante; há as que O vêem sofredor; ora aparece misericordioso, ora severo.

A Eucaristia e a Paixão – A Eucaristia e a Paixão são duas manifestações excelsas do amor de Jesus aos homens.

Da devoção ao Sagrado Coração nasceu, como um desdobramento natural, a devoção ao Coração Eucarístico de Jesus, que tem por objeto honrar o ato de amor mediante o qual Nosso Senhor instituiu a Eucaristia.

A maior e mais tocante manifestação do amor do Redentor pelos homens foi deixar-Se crucificar por eles, redimindo-os do pecado pela morte infamante no alto do Calvário. “Ninguém tem maior amor do que aquele que entrega a vida por seus amigos” (Jô 15,13).

Na Paixão, veneram-se especialmente as dores, as humilhações e a cruz de Nosso Senhor Jesus Cristo.

As Cinco Chagas – As cinco Chagas de Nosso Senhor que se veneram são as duas das mãos e as duas dos pés – traspassadas pelos cravos na crucifixão – além da Chaga do Lado, aberta pela lança do soldado Longino. Ao lhe atravessar o coração, dele brotou sangue e água. É esta última Chaga a que se relaciona particularmente com a devoção ao Sagrado Coração.

Devoção a Nossa Senhora – Santa Margarida Maria entrou na Ordem da Visitação para ser “filha de Nossa Senhora”. Dizia ela que “não conseguiríamos fazer um ato mais agradável a Deus do que honrar Nossa Senhora”.


19. Deve a devoção ao Sagrado Coração de Jesus substituir outras devoções na Igreja?

De nenhum modo! Conforme o ensinamento do Papa Pio XII, na encíclica Haurietis Aquas, sobre o Sagrado Coração de Jesus, “ninguém pense que esta devoção prejudique no que quer que seja as outras formas de piedade”. (Pio XII, Encíclica Haurietis Aquas, n.82).

Essa devoção está na raiz das outras devoções ao Verbo Encarnado. Ajuda-as. Sem o fervor que vem da contemplação do amor de Nosso Senhor, as outras devoções não existem em estado perfeito.


20. Que relação há entre a devoção ao Sagrado Coração de Jesus e a de Cristo Rei?

A devoção a Cristo Rei é, por assim dizer, o coroamento da devoção ao Sagrado Coração. Ao instituir a festa de Cristo Rei, o Papa Pio XI ordenou que nesse dia se procedesse à renovação da consagração do gênero humano ao Sagrado Coração.

(Do livro: “O estandarte da vitória, A devoção ao Sagrado Coração de Jesus e as necessidades de nossa época”, Autor: Péricles Capanema Ferreira e Melo – Editora Artpress – www.livrariapetrus.com.br)

Um comentário:

Val disse...

Está sendo maravilhoso acompanhar pequeno Catecismo ao Sagrado Coração de Jesus. O aprendizado é imenso e a fé é renovada e porque não dizer: A fé aumenta e nos faz mais católico, mais cheio de paz. A vontade é de sair por aí gritando EU TENHO FÈ, EU TENHO JESUS NO CORAÇÃO, EU AMO JESUS. É maravilhoso sentir tudo isto.Obrigada por me deixar assim, passando-me todas essas informações